ÁLBUNS DA TERRA 

7 de março 2020
Programa: MUSEU DO FUTURO #1
na Casa da Memória de Guimarães
PROJETO VENCEDOR DA 2ª BOLSA DE CRIAÇÃO DO PACT - PLANO DE APOIO À CRIAÇÃO TEATRAL
O álbum fotográfico é também testemunha, e um depositário de histórias e memórias de uma família, e tem igualmente, características e qualidades físicas como das fotografias.No álbum fotográfico, quase sempre, existe uma organização das fotografias, uma sequência, umas mais criativas do que outras, criando autobiografias e narrativas de uma vida familiar, preservando as memórias que lá habitam, e as que já não habitam, as que se perderam ao longo dos anos, mas dando-lhes também a possibilidade de se multiplicarem. Álbuns da Terra é usado aqui como suporte de memória para contar uma parte da história do meu sobrinho na cidade de Guimarães.
Criação, objeto, pesquisa Tânia Dinis
Texto Pedro Bastos 
Apoio à criação Tales Frey, Jorge Quintela
Produção Associação Cultural - Tenda de Saias
Coprodução A Oficina
Duração 30 min. aprox
@paulopacheco

RECORTES DE FAMÍLIA

24 de novembro 2019

Grande Auditório do Rivoli,  Porto/Post/Doc e a Orquestra de Famílias de Matosinhos Programa Educativo Orquestra Jazz de Matosinhos - espectáculo audiovisual. Além da interpretação ao vivo de temas originais, o espectáculo inclui também uma componente visual criada por Tânia Dinis, a partir dos acervos pessoais fotográficos e das memórias familiares dos membros da orquestra, assim como meu, que inclui também imagens do Brasil nos anos 40. Os conjuntos de fotografias e imagens serão manipulados em tempo real, num ensaio visual de sobreposições de imagens, construindo pequenas narrativas numa viagem fragmentada à memória afectiva de todos os participantes.

Viajar no tempo dos outros

Tanques das Fontainhas Porto

Co-criação com Maria Ferreira e Soraia Gomes com moradores e antigos moradores das Fontainhas 

MEXE - Encontro Internacional de Arte e Comunidade

18 setembro 2019

Viajar no Tempo dos Outros será realizado nos Tanques das Fontainhas
Uma Criação de Tânia Dinis em Co-Criação com as incríveis Maria Ferreira e Soraia Gomes com moradores e antigos moradores das Fontainhas.
Pesquisa realizada por Maria Ferreira e Soraia Gomes.
"Viajar no tempo dos outros – Fontainhas" pretende proporcionar ao espectador um pequeno encontro familiar. A partir de pequenos encontros criativos, um grupo de moradores e antigos moradores das Fontainhas, vão revisitar documentos visuais, numa viagem por uma memória, uma cultura, um património, percorrendo histórias pessoais que passam pela época e o seu contexto socioeconómico.

Linha de Montagem 

[Estreia Absoluta]
Pedro Bastos, Sara Costa, Tânia Dinis

 

CIAJG / Black Box 

ARQUIVOS TEATRO DA MEMÓRIA  
2ª BOLSA DO GANGUE DE GUIMARÃES

Quarta  27 a Sábado 30 março, 21h30


Linha de Montagem parte do olhar de três artistas sobre o arquivo do Teatro Oficina, numa análise sobre o que poderá ser um arquivo, a documentação, de uma política cultural de uma companhia de teatro, com relação socioeconómica de uma região. 

Criação Pedro Bastos, Sara Costa e Tânia Dinis 
Pesquisa Pedro Bastos, Sara Costa e Tânia Dinis
Texto Pedro Bastos
Interpretação Sara Costa e Tânia Dinis
Agradecimentos Carlos Rego, Jorge Quintela, Pedro Lima, Bando à Parte, Eduardo Brito, Rui Vale de Sousa, João Melo, José Eduardo Silva,
Duração aprox. 45 min.
Maiores de 6

Bastidores

Estreia

JANEIRO 2019

19 Sáb 14.30h, 15.30h, 17.00h & 18.00h
20 Dom 14.30h & 15.30h

 

RIVOLI Sala Pingue-Pongue

Entrada gratuita • >12

“Bastidores” parte da criação “Curva Ascendente” (2014), que explora o confronto da imagem com aqueles nela representados, neste caso o de Ermelinda, avó da autora, recorrendo a suportes e dispositivos de imagem associados ao universo afetivo familiar.

Agora, prossigo o meu trabalho, de revisitação de memórias através da imagem fotográfica e outros documentos, apresentando aqui um primeiro momento de "Bastidores", que parte do arquivo do Teatro Municipal Rivoli, e que me fez viajar pelo arquivo pessoal de antigos funcionários, dos seus vizinhos, amigos e familiares, com percursos de vida e histórias diferentes, proporcionando um pequeno momento familiar, uma reunião, um ensaio intimo agora partilhado, de alguns fragmentos de história, de uma determinada época, na vida de um teatro, que também é uma família. As fotografias fixam momentos, identidades, mas não nos desvendam tudo. São diferentes ligações de um tempo e testemunho que se desdobram em torno de imagens que circulam de mão em mão, fluem como quadros com potenciais micro histórias, numa memória que funciona como um dispositivo à construção de uma narrativa, manipulando o que é realmente verdade ou não. — Tânia Dinis

De Tânia Dinis
Com Tânia Dinis, Fernando Sousa, Luís Ribeiro, Manuel Rodrigues, entre outros
Apoio à criação Jorge Quintela, Paulo da Mata e Tales Frey 
Apoio à produção Associação Cultural – Tenda de Saias
Pesquisa Tânia Dinis
Material de arquivo Teatro Municipal do Porto, Tânia Dinis, Luís Ribeiro, Manuel Rodrigues, Fernando Sousa, A. Carvalho, L. Alves, António Torreira, Esperança Borges, Srº Jorge
Agradecimentos Senhor Albano, Carlos Moreira, Júlio Moreira, Francisco Choupina, Rita Xavier, Ana Cristina Vicente, Bando à Parte, Jorge Garcia Pereira, equipa do Teatro Municipal do Porto, e a todas as outras pessoas que se cruzaram e ajudaram na concretização deste projeto

2018

Álbuns da Terra - Ribeira, Viana do Castelo de Tânia Dinis e Juliana Sá

#talkie-walkie #Comédiasdominho #TeatroDoNoroeste #ondamarela Ana Isabel Bragança RaulPereira #MatildeSeabra 

Portas do Tempo Viana do Castelo x 17 Nov Dos Descobrimentos

2018/2019

 

TEMPORÁRIAS

Uma criação de  Tânia Dinis em co-criação de Ana Villanueva ( ARG ) e Maria Antónia Mion ( BR)

Pesquisa e interpretação de Tânia Dinis, Ana Villanueva e Maria Antónia Mion

Apoio artístico de Jorge Quintela, Paulo da Mata, Tales Frey, Regina Guimarães

Aprox: 40 minutos

Produção da Associação Cultural - Tenda de Saias

Maiores 12 anos

1º momento, foi apresentado em 2017, no programa MARIAS,  pela Mezzanine, na ªSEDE , no Porto

2º momento, outubro de 2018, CAAA - Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura, Guimarães

3º momento, Maio de 2019, Casa Tangente, Curitiba Brasil

4º momento, junho de 2019, Quema la Nave, Buenos Aires, Argentina

Apoio à circulação Fundação GDA

Apoio à criação DGArtes

 

“Temporárias” tem como processo de trabalho a correspondência de imagens de família, entre as três artistas e manipuladas através da montagem.

 Uma criação na busca constante das múltiplas leituras que uma imagem pode ter e o que podem esconder. A impressão de momentos esquecidos num tempo distante. Um tempo que passa e um tempo que não passa, em memórias que se expandem no espaço. Memórias familiares prontas para emergirem do esquecimento, permitindo a construção das nossas histórias, ou as histórias que lá habitam e que nos ligam num tempo e espaço diferente.

 ​

A minha mãe não tinha segredos, apenas gostava de segredar e de fazer caixinha ( ... )

 

 

Oficina IMAGENS QUE CONTAM HISTÓRIAS por Juliana Sá e Tânia Dinis

20 e 21 de Outubro

10h/13h

Máximo 15 participantes

Idades entre 6/12 anos

 

Nesta oficina vais trabalhar com imagens associadas ao universo afectivo familiar. Vais explorar vários materiais e técnicas na construção da tua história e da tua imagem.

 

2017

ÁLBUM DE FAMÍLIA

 

10 e 11 de junho 2017 - Casa  da Memória - Teatro Oficina - Festivais Gil Vicente - Guimarães

 

A convite do Teatro Oficina, Isabel Costa e Tânia Dinis lançam-se numa criação em duas partes. A partir do espólio de fotografias D’A Muralha, estas duas peças distintas, partilham o mesmo principio: O Álbum fotográfico familiar.

E ainda com os criativos: Tales Frey, Rui Monteiro, Óscar Rodrigues e a preciosa colaboração de Nuno Preto e Tiago Sarmento.

Com os alunos das Oficinas do Teatro Oficina.

Isabel Costa 1º parte do espectáculo

Tânia Dinis 2ª parte do espectáculo

 

Neste projecto dou continuidade ao meu trabalho de pesquisa e recolha de imagens de arquivo familiares, pessoais e anónimas ( recolha em feiras de usados e lojas de velharias ), utilizando os mesmos dispositivos e suportes que normalmente exploro no vídeo e cinema. Agora na performance continuo o trabalho pesquisado na performance ROTA  e agora  um grupo de alunos das Oficinas são confrontados por mim com sequências de imagens e são convidados a partilharem memórias. 

Álbum de Família

Momentos antes de se tirar uma fotografia um corpo de pessoas, de diferentes idades e com diferentes experiências e percursos de vida, são confrontados por Tânia Dinis, com uma sequência de imagens e são convocados a partilharem memórias que lá habitam. Neste momento fotográfico, é utilizado um dispositivo de vídeo para transportar e transformar estas memorias através de objectos, filmes, diapositivos, cartas, postais, fotografias de situações domésticas e da sua intimidade. Neste partilha é possível encontrar, animais, jogos, desenhos, retratos, registos de paisagens, passeios, viagens, festas, casamentos, o crescimento e a evolução dos elementos familiares. Experiências, sentimentos, registos subtis do dia a dia, que dando-lhes a possibilidade de se multiplicarem, se desdobrarem em outras memórias criam assim, pequenas legendas narrativas, num diálogo com o passado e presente. O resultado deste momento, tem como objectivo a criação de um novo álbum de família que continua aberto a várias leituras, pois ao utilizarmos as ferramentas – fotografia e memória, estamos a usar a sua capacidade de se ligarem a um acontecimento passado permitindo a este grupo de pessoas uma partilha íntima e familar. Procuramos  uma conversa, onde dos diálogos crescem relações e jogos de afectos, relembrando,criando, ficcionando recordações, fazendo deslocações de momentos originais, ou não, no tempo e espaço. Abrimos e folheamos este álbum que conta agora novas histórias, ou as histórias que queremos ver.

 

 

2013/2018

ROTA ( pequena história de uma família ) 

é um encontro familiar, que explora o confronto da imagem com aqueles nela representados, recorrendo a suportes e dispositivos de imagem associados ao universo afectivo familiar. Na continuação do trabalho desenvolvido na manipulação de imagens de arquivo em filme, na performance ROTA é utilizado um dispositivo de vídeo, que transporta e transforma em directo as imagens. 

 

Uma criação de Tânia Dinis

com a participação especial, na imagem e audio, da minha avó Ermelinda de Jesus

Arquivo e pesquisa de Tânia Dinis

Apoio artístico de Jorge Quintela

Performance

Aprox: 40 minutos

2013/2018

 

Para esta programação, apresento uma versão da performance Imaginário familiar e Curva Ascendente, que faz parte do Projecto – Arquivo da família, um trabalho que está em constante desenvolvimento; um trabalho de pesquisa e recolha de arquivos familiares ( pessoais e anónimos ); Super 8, found footage, home movies, fotografias, diapositivos, cartas e outros objectos, que tem como objectivo resultar num conjunto de trabalhos reorganizados, revisitados, confrontados e manipulados através da montagem, criando assim, pequenos momentos narrativos. 

Apresentações:

2018 - Museu Júlio Dinis – Ovar 2018

2018 - Ignição Gerador - Lisboa - Palácio Nacional da Ajuda

2018 - 11 de Maio - Finissage com a performance "Rota (pequena história de uma família)"   sput&nik thewindow Porto

2017 -  Mosteiro São Bento da Vitória - Porto - Seminário Internacional Práticas de Arquivo em Artes Performativas  ( Imaginário familiar - Linha de Tempo )

http://www.tnsj.pt/home/espetaculo.php?intShowID=1727

2017 - 27 Maio - mARTE - Barcelos

2017 - 8ª edição do Mercado da Artes, Ponte de Lima

2017 - 11 e 12 Fevereiro - O Condomínio, festival de cultura local em espaços habitacionais - Lisboa ( imaginário famíliar )

2017 - 27 de Abril - MIRA - Artes performativas - Porto

2016 - 10 de Dezembro - PROJECTO T3 - Porto

2016 - Jardins Efémeros, Viseu  ( em Curva Ascendente )

2015 - TRAÇA - Mostra de Filmes de Arquivos Familiares Lisboa ( em a família não se escolhe )

2015 - EXPOSIÇÃO NA 31 DE JANEIRO PORTO ( em imaginário familiar )

 

Artigo de Tales Frey

O tempo fora do tempo

2013/2017

Série Imaginário familiar #4

Montagem fotográfica e reprodução em slides impressos em papel fotográfio.

Caneta de feltro

2014/2017

Imaginário familiar                                  Caso se reconheça, terei muito gosto em devolver as suas memórias.  

Exposição e performance                                          

Uma criação de Tânia Dinis                                                                                            

Recolha de arquivos de família de Tânia Dinis

Montagem fotográfica e reprodução em diapositivos.                                        TESE/PROJECTO DE MESTRADO - BELAS ARTES DO PORTO

 

2017 - MIRA - ARTES PERFORMATIVAS PORTO

2016 - Jardins Efémeros, Viseu

2015 - TRAÇA - Mostra de Filmes de Arquivos Familiares Lisboa

2015 - EXPOSIÇÃO NA 31 DE JANEIRO PORTO

                  

Performance

 Exposição Imaginário Familiar - Jardins Efémeros - Viseu e Porto

Arquivo - Rua - Reprodução em slide.

Arquivo - Rua - Mostagem e reprodução em slide.

Arquivo - Rua - Montagem e reprodução em slide.

O arquivo de família assume um papel bastante significativo porque constrói e reúne as memórias de uma história familiar. Assim, tanto funciona como documento representando o real, como o pode ficcionar. As fotografias, diapositivos, filme, cartas e outros objectos familiares são do foro do privado, do intimo, mas quando transpostas para o domínio público, podem ser revisitadas, possibilitando novas interpretações que a própria imagem pode ocultar. O princípio da montagem nasce com o cinema e é a partir da ideia de montagem cinematográfica, mais específicamente do efeito Kuleshov, de plano contra plano, que pretendemos reorganizar os arquivos. O objectivo é a construção de várias obras associadas e uma pequena performance.

É o transporte da imaginação por identidades desconhecidas em busca de fragmentos de memórias, transportando estes arquivos para o universo da arte dialogando com o passado e o presente.

Imaginário Familiar pretende dar continuidade ao trabalho desenvolvido no Projecto-Arquivo de Família e é um trabalho que está em constante desenvolvimento; um trabalho de pesquisa e recolha de arquivos familiares; super 8mm, found footage, home movies, fotografias, diapositivos, cartas e outros objectos encontrados ou doados,  que tem como objectivo resultar num conjunto de trabalhos reorganizados, revisitados, confrontados e manipulados através da montagem, implementando colagens, e fragmentos sonoros, explorando a ideia da imagem, numa experiência do tempo que passou, e do tempo que não passa, numa memória que se expande no espaço, criando assim, pequenos momentos narrativos deslocados para outros contextos, a sua relação partilhada com o público e as suas diferentes leituras, proporcionando ao espectador um encontro familiar.

 

                                                                                       Imaginário familiar - LINHA DE TEMPO  #1   Fotografias de vários arquivos de família                                                  

Exposição Imaginário Familiar - Porto

Série Imaginário Familiar #2 - Dupla projecção de Slides                                   Série Imaginário Familiar #1 - Montagem fotográfica e reprodução em slide                                                                                                                                  Fundos papel de parede, papel bacalhau, papel embrulho, malas

Performance Imaginário Familiar-Jardins Efémeros                                    Exposição Imaginário Familiar - Jardins Efémeros

2015

 

A FAMíLIA NÃO SE ESCOLHE   

10 e 11 OUTUBRO - LISBOA 

Performance/Instalação                                              

TRAÇA - Mostra de Filmes de Arquivos Familiares

2015

 

Filmes:

Ilha das Bananeiras 

Os teus Olhos

Arquivo de família - Dupla projecção de slides                                                  

Still super 8 impresso em papel fotográfico.

Uma criação de Tânia Dinis

Recolha de arquivo fotográfico e diapositivos: Tânia Dinis

Recolha de arquivos de filmes de família: Videoteca de Lisboa

Filmes de família da coleção do Sr. Luís Nunes dos Santos | AML-Videoteca

Correspondência da coleção da artista.

2015

A família não se escolhe, é um trabalho de pesquisa e recolha de arquivos familiares. A instalação/performance vai resultar  no cruzamento dos arquivos de família em película Super 8 recolhidos pela Videoteca de Lisboa para o Festival – TRAÇA e fotografias e slides encontrados por mim, em lojas de velharias e feiras de usados, com o objectivo de criar novas histórias.

 

 

Linha de tempo II Dupla montagem Still Super 8 impresso em papel fotográfico

2013 

CURVA ASCENDENTE

Performance/Instalação  -  A Minha Família

2013/2016

 

Curva Ascendente, é uma performance que  explora o confronto da imagem com aqueles nela representados, recorrendo a suportes e dispositivos de imagem associados ao universo afectivo familiar.

Curva Ascendente é um íntimo-partilhado. 

Um encontro familiar.

Na Casa da Imagem existe o espólio fotográfico de Teófilo Rego.

Na minha casa, existe um avô Armindo e um tio-avô Fernando que registaram as memórias da minha família, revisitadas agora por mim. 

 

Projecção slides.

Casa da Imagem - Vila Nova de Gaia

Uma criação de Tânia Dinis

com um texto de Regina Guimarães

Apoio artístico de Jorge Quintela                 

60m    Lotação máxima de 18 pessoas

Fotografias da avó Ermelinda de Jesus

Super8/slides/som de Tânia Dinis

Sopa da avó Ermelinda

 

Apresentações:

 

2016: Jardins Efémeros, Viseu

2016: Solar Galeria de Arte Cinemática - Vila do Conde

2016: Festival Artes de Rua, Tavira

2015: CASAZUL Barcelos

2015: TRAÇA - Mostra de filmes de família - Lisboa

2013/14: CAAA - Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura em Guimarães,

Festival NOC NOC 4, Guimarães

Casa da Imagem em Vila Nova de Gaia ( apoio da Fundação GDA )

Ela linda de morrer em sua morada quase erma ficara espectadora de todos os regressos patrona de todas as partidas irredutível, divisível, dividida.

Regina Guimarães

Casa da Imagem - Vila Nova de Gaia

CAAA - Guimaraes

Ilustração de Celine Amorim                                                 Ilustração de Celine Amorim

Arquivo de família.

​Serie #1 - Curva Ascendente

Montagem e reprodução em slide.

CasAzul - Barcelos

2013 

NÃO SÃO FAVAS, SÃO FEIJOCAS

VídeoPerformance

Exposição colectiva. Experimental Jet Set ( Filmes em super8 )

2013

Conflito geracional de pessoas que vivem do campo, para o campo. A minha avó e eu. O confronto da imagem com aqueles nela representados.

 

CAAA - Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura - Guimarães

Criação de Tânia Dinis

Com a participação da minha avó Ermelinda de Jesus e Família Dinis.

2013

Eu sou um título. Clique duas vezes para editar

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now